Oportunidades de Aplicação de Big Data em Saúde: Os Gerentes Assistenciais

Posted by – 31/10/2016

No primeiro post dessa série, listei os atores e os beneficiários de uma estratégia de Big Data dentro de uma organização de saúde, seja ela um hospital ou uma clínica. Quais sejam, os Provedores, a Força de Trabalho, os Pesquisadores, os Pagadores e os Clientes. No post seguinte, analisei brevemente a primeira subpopulação dos Provedores, que é composta pelos Administradores Hospitalares. Nesse post analisaremos rapidamente as oportunidades que se apresentam para outra subpopulação deles: os Gerentes Assistenciais.

Os Gerentes Assistenciais recebem dados que permitem uma tomada de decisão “local” e em pequena escala, sem a necessidade de um processo burocrático na instância superior e que provavelmente servirá para o “melhor cenário” e não contemplará uma miríade de cenários sub-ótimos que são bastante mais frequentes.

Uma das perguntas que pode ser respondida para essa população é: Se um determinado paciente tem a necessidade de coletar um exame específico, qual o melhor momento para fazê-lo? Em um ambiente hospitalar, um paciente que se desloca entre departamentos leva consigo um funcionário (em geral um técnico de enfermagem) que vai “desfalcar” a equipe local. Fazer esse deslocamento no momento errado pode ampliar o tempo necessário para o retorno do funcionário e gerar toda a sorte de ineficiência como consequência. Muito mais efetivo é ter uma alocação dinâmica e disparar o processo de transporte no momento ótimo.

Esses Gerentes ainda podem ter acesso a notificações de processos de que eventualmente estejam responsáveis. Ao invés de ligar para a farmácia diariamente para verificar a disponibilidade de um determinado medicamento ou material, sua interface de trabalho o notifica quando um material necessário chega à farmácia.

Dependendo do grau pretendido de integração das informações, um Gerente Assistencial pode ajudar a alimentar algoritmos de aprendizado de máquina que tornem possível a automatização de diversas tarefas, acabando com a perda de tempo com as rotinas repetitivas e com a possibilidade de que tarefas essenciais sejam esquecidas em prol do “problema da vez”.

Por fim, não podemos esquecer de um sério problema que faz parte do dia a dia dos Gerentes Assistenciais em qualquer organização de saúde de médio ou grande porte: as escalas e as capacidades de cada funcionário. Através da integração com os dados do departamento de pessoal quando da ocorrência de uma falta ou quando da programação de férias, é possível rapidamente saber qual funcionário e de onde ele vai ser deslocado para cobrir a vacância. Não é incomum que esses controles sejam feitos manualmente e executados “na emergência”, muitas vezes resultando em um deslocalmento de um funcionário sem a capacitação adequada para aquele serviço, ou na criação de um novo problema em solução ao anterior. Com a integração desses dados na interface de trabalho dos Gerentes Assistenciais, resolver esses problemas se torna trivial.

No próximo post, analisaremos o que se espera de oportunidades do Big Data para a Força de Trabalho.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *